Eu José Manuel Mouriño e meu irmão José Luiz Mouriño, fomos criados em um núcleo familiar onde o contato com animais e, principalmente cães, nos levou à necessidade de constante interação com os mesmos.
Desde pequenos sempre tivemos a oportunidade de convívio com a criação. Tivemos inúmeras espécies animais sob nossa guarda. Mas a criação de cães sempre nos deixou apaixonados. Quando pequenos tivemos a oportunidade de viver e criar cockers spaniels.
Mais tarde, e por conta dessa criação direcionada, acabamos escolhendo profissões relacionadas ao nosso interesse. Eu cursei medicina veterinária e me formei no ano 2000 e meu irmão, José Luiz, zootecnia.
Começamos a criar cães com um bom desemprenho técnico já durante a faculdade. A primeira raça que nos levou a exposições e parceria com kennel club foi o rottweiler. Criamos rottweilers por 15 anos. Já durante esse período tivemos a oportunidade de conviver e reproduzir a raça bull terrier. Durante esses anos o gosto por exposições e melhoramento genético cresceu.
Após a mudança de estado de meu irmão que foi viver em Florianópolis, Santa Catarina, tivemos que mudar um pouco a linha de criação. Meu irmão se mudou para uma região agrícola e onde o gasto pesado com alimentação e cuidado veterinário ficou dispendioso. Dessa forma começou a criar australian cattle dog blue heeler. Já, em contrapartida, eu me mudei para apartamento, e imediatamente comecei a pensar em cães que se adaptassem bem a este estilo de vida e que tivessem características boas para essa categoria. Por alguns anos estudei sobre o kerry blue terrier pois era uma animal vistoso e de temperamento firme e alegre.
Em meados de 2013 adquiri minha primeira kerry, Guinness. Foi fantástico ver de perto como esse cão tem um temperamento divertido e apaixonante. Essa cadela se saiu muito bem nas pistas e é uma grande reprodutora e uma ótima oportunidade de trabalhar a genética e disseminação em nosso país.
Em 2015 se sagrou grande campeã nacional, grande campeã panamericana e campeã internacional. As reservas de filhotes são feitas o ano todo mas como as ninhadas são com intervalos longos muitas vezes a espera é longa. A parceria com o Canil La Cadiera nos levou à uma evolução rápida pelo seu histórico e por ser um dos maiores criadores de kerry blue do mundo. E os filhotes tem mostrado grandes resultados em pista também.

Exatamente como os outros terriers irlandeses, verificou­-se que, por séculos, o Kerry Blue habitou a Irlanda.
Novamente, em razão de suas origens humildes como caçador de ratos por todo canto e como cão de fazenda, existe pouca, senão nenhuma referência à raça antes do século XX.
Provavelmente a primeira referência ao Kerry Blue data de 1847, o autor descreveu um cão de cor ardósia azulada, marcado com manchas escuras e freqüentemente com castanho nos membros e focinho.
Esse preto­azulado do Irish Terrier supostamente prevaleceu no Kerry, mas também tem sido encontrado em outras raças. O Kerry Blue apareceu pela primeira vez em uma exposição em 1913 e o Dublin Blue Terrier Club foi fundado em 1920.
O Kerry Blue tornou­se rapidamente popular como uma espécie de mascote dos patriotas irlandeses e assim houve 4 Clubes divulgando seus interesses por um curto período, e, entre 1922 e 1924, esses Clubes patrocinaram não menos que 6 exposições e 6 provas de campo.
Em 1928, esse impressionante e bem balanceado Terrier, com sua maravilhosa pelagem macia azul, tornou­se popular no mundo inteiro, assim como sua reputação: de um excelente cão de trabalho e de companhia quase perfeito.
O Kerry Blue é ativo, bem constituído e bem proporcionado, mostrando um corpo bem desenvolvido, musculoso com um estilo definido de Terrier.

COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO:
Característica de terrier em sua totalidade. O fator mais importante deve ser sua expressão severa e alerta.

CABEÇA:
Mostrando pelagem farta. Os cães devem ter a cabeça mais forte e mais musculosa que as fêmeas.

REGIÃO CRANIANA
Crânio:
Forte e bem balanceado.
Stop: leve

REGIÃO FACIAL
Trufa: preta, narinas grandes e amplas.
Focinho: de comprimento médio.
Dentes: grandes, alinhados e brancos. Mordedura em tesoura (torquês aceito). Maxilares: fortes e musculosos. Gengiva e palato escuros.Olhos: castanhos ou castanhos escuros, de tamanho médio e bem colocados, expressão severa.
Orelhas: finas e curtas; caídas para a frente ou próximas às laterais da cabeça;
direcionadas para a frente, mostrando bem a expressão aguda e severa do terrier.

PESCOÇO:
Bem proporcionado, bem inserido nos ombros e moderadamente longo.

TRONCO
Dorso: comprimento médio; reto.
Lombo: comprimento médio.
Peito: profundo e de largura moderada. Costelas bem arqueadas.

CAUDA:
Fina, bem colocada, portada ereta e alegremente.

MEMBROS ANTERIORES
Ombros: finos, oblíquos, de forte construção.
Pernas: retas, vistas de frente; bons ossos.

POSTERIORES: bem colocados debaixo do cão.
Coxas: musculosas, bem desenvolvidas.
Jarrete: forte.

PATAS: compactas; almofadas fortes e redondas; unhas pretas.

MOVIMENTAÇÃO:
Boa coordenação, com pernas paralelas, anteriores com bom alcance e poderosa propulsão nos posteriores. Quando o cão está em movimento, a
linha superior deve permanecer nivelada e a cabeça e a cauda devem ser portadas altas.

PELAGEM
Pelo: macio, farto e ondulado.
COR: azul de qualquer tonalidade, com ou sem pontas pretas. Preto é admitido
somente até a idade de 18 meses, assim como uma sombra de castanho.

TAMANHO
Ideal na cernelha: Machos: 45,5 a 49,5 cm. Fêmeas: 44,5 a 48 cm.
Peso: Machos: 15 a 18kg. Fêmeas: proporcionalmente menos.

Por Sr. Sean Delmar para o Dublin Irish Blue Terrier Club (Presidente do Irish Kennel Club).
Existem certas características que fazem que determinadas raças de cães sejam únicas. Esta é a denominação de “TIPO”.
O seguinte foi copiado pelo Dublin Irish Blue Terrier Club para ajudar aos juízes a estabelecer o “TIPO” no Kerry Blue Terrier.

Presença e aparência:
O KBT deve mostrar-se sozinho, sem ajuda, com uma postura firme e enérgica, de corpo erguido e com sua cabeça bem alta. A cauda deve estar sempre ereta ou ligeiramente para frente. Tudo isto para criar uma imagem clara de concentração e dominância.
“Deve possuir o solo sobre o que pisa”.

Expressão:
O KBT deve ter uma expressão diferente e única. Deve se mostrar um terrier intenso e ser “um tipo duro”, “não suave”, “ou doce”, nem obedientemente implorando por um biscoito.
Fisicamente isto se obtém a partir do seguinte:
Olhos escuros e profundos.
As orelhas de tamanho médio com prega ligeiramente acima do nível do crânio e postadas ao lado da cabeça com as pontas apontando ao canto dos olhos.
Olhos, orelhas e cabeça corretos com atitude firme e enérgica criam a “Verdadeira Expressão do Blue”.
Cor:
Nascidos pretos, gradualmente evoluem a qualquer tonalidade de azul, desde praticamente um cinza prateado até um azul muito escuro ao qual se denomina algumas vezes como “Azul de Meia Noite”. Todos são corretos.
O pelame:
O KBT tem um pelame muito singular que “não muda”, ainda deverá ser abundante e não escasso. Deve ser suave ao tato com um obvio brilho intenso (nunca um apagado e queimado). Deve ter um ondulado gentil ou um meio eriçado.

Os kerries são bons para crianças? A minha seguinte pergunta é muito mais importante. As crianças são boas para os kerries?

Dadas as características típicas de um terrier, costumo dizer, como muitos estudiosos da raça, que o kbt não é um cão para todos. Eles são cães ativos, divertidos, para “todo o terreno”, vivem bem em casas e apartamentos e são muito amorosos com os membros da família. Mas não existe cão perfeito! Os kbts são bem excitados quando expostos à rua ou à outros cães. Ficam eretos, muitas vezes latem, e não toleram qualquer tipo de agressividade vinda dos outros cães. Para muitas pessoas isso pode parecer defeito, mas para os amantes dos terriers é isso que os tornam maravilhosos.
Normalmente o tipo de pessoa que procura um cão dessa raça é jovem, tem muita energia para passear e viajar, quer um cão extremamente companheiro que não solte pelos e que não tenha muitas doenças genéticas. Fica bem indicado para solteiros, casais jovens ou pessoas maduras que sabem o que procuram e não querem cair na mesmice das raças que vemos todos os dias no parque. Um kerry é um cão exibido e vai chamar muito a atenção!
Mas nessas situações perguntamos, mas e as crianças? Filhos? Netos?
Bom, costumo dizer que crianças que são bem educadas e que já tem idade para entender sobre cães, suas necessidades e sua postura corporal(acima de 8 anos) vão adorar ter um cão desses. Eles brincam muito com as crianças e toleram brincadeiras pesadas. Mas por se tratar de um cão com mais de 10kg, as crianças menores devem ter sempre supervisão de alguém mais velho na brincadeira. Nesses casos algumas brincadeiras podem machucar tanto a criança quando o próprio cão.
Vemos todos os dias exemplos de crianças mal criadas que machucam e enfurecem cães por prazer e diversão. Mas como veterinário e criador, garanto que crianças que tem cães durante sua fase de crescimento são mais saudáveis e tem um comportamento muito mais amoroso e social dos que os que não tem um cachorro dentro de casa. Tive cães vivendo comigo desde pequeno e por mais de 30 anos e isso me mostrou o quão importante é entender o ciclo da vida. Mostrará para os pequenos como é o ciclo, do nascimento à morte.

Qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade.
• gengiva cor de carne.
• olhos claros ou amarelos.
• dorso selado ou carpeado.
• peito estreito.
• cotovelos salientes.
• dentes: prognatismo superior ou inferior.
• unhas cor de marfim ou brancas.
• ergôs nos membros posteriores ou marcas de que foram removidos.
• movimentação dos posteriores fechada, jarrete de vaca ou movimentação saltitante dos posteriores.
• cães cuja cabeça ou cauda são mantidas artificialmente levantadas para cima pelos handlers ou expositores devem ser penalizados.
• pelagem dura de arame ou pelo arrepiado.
• qualquer cor diferente do azul, com a exceção mencionada acima.
NOTAS:
• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos e acomodados na bolsa escrotal.
• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

O Kerry blue terrier(KBT) não é uma das raças que está entre os top 10 dos da lista dos mais inteligentes. Mas isso nunca foi uma boa medida para saber o quão inteligente é o seu cão. Donos de cães de raças que estão entre as menos obedientes costumam dizer que seus cães são inteligentes demais para obedecer simples ordens.

Cães mais jovens são mais fáceis de ensinar, mas os mais velhos também podem aprender como uma pessoa de idade aprende. O fato é que a rapidez não é a mesma pois pode confrontar alguns hábitos já existentes e a capacidade cerebral já não é a mesma.
Você compra um cão, não só um cão, mas um KBT. Você quer o que todos querem quando compram um cachorro: um pet amável, que não destrua as coisas, que não morda as pessoas, um que venha quando você o chama, e que não destrua a casa e não seja barulhento. Adivinhe? Cães tem sua própria agenda, e se você trabalhar direitinho desde o início para que ele aprenda essas coisinhas, ele usará em seu comportamento instintivo. Gay Stahley, 1992
KBTs são bons em obediência pois são inteligentes. Aprendem rápido uma vez que você diga para eles o que você deseja deles de uma forma que eles possam entender. É lindo de ver o KBT bem treinado, assim se tornando amado pelo visual e pelo comportamento. Criadores devem encorajar os donos de kerries a treiná-los em aulas de obediência. Gwen Resk, 1985
KBTs são facilmente estimulados pela visão. É vital que eles sejam desde jovens expostos a algumas situações para crescerem com uma atitude mental estável. Vemos muitos cães que tem enjoo em passeios de carro. Andar várias vezes por pouco tempo no carro quando eles são pequenos e com brincadeiras e finais agradáveis faz com que eles melhorem muito rapidamente. Gay Stahley, 1992
Um cão bem treinado e com comportamento adequado torna a vida mais fácil e a companhia muito mais prazerosa!

Apesar de ser considerada uma raça forte e bem saudável, cães criados por criadores mal intencionados são propensos a algumas doenças genéticas.
Olho seco, catarata e entropion podem acontecer em alguns casos.
Algumas linhas de sangue podem transmitir no pedigree tumores ou cistos de pele e alterações de queratinização em trufa e coxins. Alguns ainda podem ter falta de dentes e mordidas fora do desejado.

A doença de maior impacto no Kerry Blue Terrier é a PNA, também conhecida como “atrofia cortical cerebelar”.
A PNA leva a alterações neurológicas graves, relacionadas ao equilíbrio e posicionamento espacial, o cão pode apresentar tremores de cabeça e inabilidade em ficar em estação. O período de manifestação nos animais engloba o primeiro ano de vida. Não existe até hoje nenhum teste para essa doença e ela ainda não tem cura.
Quanto aos problemas ortopédicos, a displasia de bacia aparece em primeiro lugar. Ela nada mais é que a má congruência da bacia com as duas cabeças do fêmur, e leva a dor e artrose em diferentes graus. Kerry Blues também podem ter luxação de patela.
Hipotireoidismo pode aparecer nos problemas genéticos e leva a um cão letárgico, com sobre peso e problemas de pele recorrentes.
Criptorquidismo não é comum, mas é relatado e esse animal deve ser retirado do programa de reprodução imediatamente.
Os relatos de doenças hepáticas, ducto arterioso patente, carcinoma de células escamosas e doença de Von Willebrandt são muito mais raros.

Crédito das Fotos : Canil La Cadiera