Atualmente os protocolos vacinais são escolhidos de acordo com o tipo de vida de cada animal.
Para esse caso é fundamental uma conversa detalhada e associado a isso, exames como, por exemplo, de fezes, pois sabemos que os animais debilitados, sob stress ou parasitados não respondem bem à vacinação, ou seja: produzem menos anticorpos e por isso não são bem protegidos contra as doenças. Além disso, os anticorpos maternos, transferidos pelo colostro nas primeiras horas de vida, podem diminuir a eficácia da vacina.
Cuidado redobrado aos que pensam que a vacinação é importante somente para os filhotes, muita atenção também deve ser dada aos animais adultos e mais velhos, que também podem adoecer e por isso, precisam tomar vacina periodicamente.